Publicidade: ᅠᅠᅠᅠᅠᅠ

Texto de uma feminista que é anti-PT/Haddad

+5 votos
perguntado 2 meses atrás em Sociedade e Política por 《Scarfac€》
O meu voto é um anti-voto (assim como o seu, eu espero)

É um anti-voto porque eu não posso permitir que um projeto de poder totalitário e revanchista ganhe mais força do que já tem.

É um anti-voto porque eu valorizo demais o dinheiro suado que meu pai investiu na minha educação pra apoiar políticas econômicas que já deram errado e que vão dar errado de novo. E muito.

É um anti-voto porque eu não posso dar oportunidade pro PT criar uma nova Assembleia Nacional Constituinte - essa sim, uma ameaça real e objetiva à democracia.

É um anti-voto porque eu sei que democratização da mídia é um nome fofinho pra censura. E eu não gosto de censura.

É um anti-voto porque eu não quero que a soltura do Lula e sua provável indicação para um ministério vire justificativa para um golpe militar.

É um anti-voto porque eu sei da urgência da reforma da previdência, sei da importância de um teto de gastos (que NÃO, NÃO CONGELA INVESTIMENTO EM SAÚDE E EDUCAÇÃO. Sai do facebook e vai ler um pouquinho pra variar).

É um anti-voto porque não é razoável que sejam assassinadas 62 mil pessoas por ano (uma rápida aulinha de matemática, de porcentagem especificamente, explica porque a mortalidade de negros, mulheres e homossexuais é tão alta. E a explicação não necessariamente passa pelo ódio).

É um anti-voto porque eu não admito que apoiem ditaduras em curso hoje, que matam por ano 4x mais do que a ditadura militar em todo o seu período de vigência, e que consigam fazer isso sem peso na consciência.

É um anti-voto porque eu sei o que é fascismo, e levo o termo a sério demais pra usar como sinônimo de "quem eu não gosto".

É um anti-voto porque eu levo mais a sério planos de governo populistas e totalitários do que declarações desconfortáveis aleatórias.

É um anti-voto porque não é racional optarmos pela certeza do erro de um lado por medo da possibilidade do erro do outro.

É um anti-voto, e eu assumo a responsabilidades pelas consequências desse anti-voto. Se eu errar, errei tentando promover alguma mudança. Errei apostando na possibilidade do acerto.

Meu anti-voto não me traz orgulho, mas também não me traz vergonha. Dadas as circunstâncias, é o único que me sobrou.

E se você discorda de mim, eu não acho que você é burro, que você é mau caráter, que você é corrupto, que você é assassino ou que tem sangue nas mãos. Eu acho que você está errado, e só. Não imputo a você os erros do seu candidato, muito menos os erros dos outros eleitores do seu candidato. Eu sei separar as coisas e entendo que o voto é individual.

(As comparações com o nazismo que ando vendo nas redes sociais são, na verdade, imputações de crime. Quem as faz deve estar ciente de que, ao fazê-lo, em primeiro lugar, ofende a memória de 6 milhões de judeus mortos na segunda guerra, pisoteia sobre seus túmulos e ri do sofrimento que passaram. E que, em segundo lugar, deve estar preparado para provar as acusações de nazismo com evidências perante a justiça, porque apologia ao nazismo é crime).

1 Resposta

0 votos
respondido 2 meses atrás por Wanderlust
Image and video hosting by TinyPic
...