Publicidade: ᅠᅠᅠᅠᅠᅠ

Se o espírito se conecta na fecundação, daí a objeção ao aborto(¹), como ficam os espíritos dos embriões congelados?

+7 votos
perguntado 8 meses atrás em Gospel por Tut
É a notícia:

[Bebê nasce quatro anos após morte dos pais na China]



Casal tinha congelado embriões antes de morrer em um acidente de carro; avós enfrentaram batalha judicial para 'ganhar a guarda' dos embriões.

Os óvulos fecundados ficaram congelados por quatro anos e foram levados para o Laos de carro (Foto: BBC)

(¹) a objeção, no contexto em tela, é a religiosa

Fonte:
http://www.bbc.com/portuguese/geral-43726569

9 Respostas

+2 votos
respondido 8 meses atrás por Amy Wong
 
Melhor resposta
A ideia de que o espírito conecta-se ao corpo no momento da fecundação é difundida por quem crê que o espirito pré-existe ao indivíduo... A doutrina cristã católica e protestante vê de outra maneira: crê na ideia de que um novo espírito é criado no momento da concepção.

Cristãos crêem na vida eterna após a ressurreição... Assim, os embriões congelados não parecem representar um grande problema ético: mesmo que fiquem décadas ou séculos envoltos em nitrogênio liquido, farão parte do juízo final e serão "transformados" como disse Paulo no primeiro livro de Coríntios, capítulo 15:

51 Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados;
52 Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados.

Supõe-se, portanto, que os embriões congelados terão, para os cristãos que são contra o aborto, o mesmo destino que os embriões abortados (por aborto provocado ou natural)... Desfrutarão da vida eterna... Porque não faria sentido que os espíritos que foram criados no momento da concepção e jamais tiveram uma vida consciente (já que foram abortados ou congelados) não pudessem ser "transoformados". Qual o problena de passar algumas décadas congelado, diante da opção de passar sextilhões de trilhões de milênios em vida de esplendor? Segundo a crença cristã, ser abortado ou ser congelado sem jamais "nascer" é uma garantia de vida eterna.

De onde pode-se concluir o seguinte, entre várias outras conclusões possíveis (inclusive conclusão nenhuma)... Quando um cristão católico ou protestante opõe-se ao aborto, não deveria alegar que faz isso pensando no feto.... O feto vai se dar bem: terá vida eterna garantida! O cristão deveria, na minha modesta opinião, fixar-se apenas nas pessoas envolvidas no aborto: a mãe que quer abortar, ou o pai que quer abortar, ou o profissional de saúde que pratica abortos, ou os cidadãos que são a favor da legalização do aborto (sem que isso signifique ser favorável ao aborto em si) é que estão, segundo os católicos e protestantes, cometendo um pecado irreparável: estão tirando do embrião a chance de ser um pecador e ter sua alma destruída... Que vem a ser exatamente o mesmo pecado de quem congela embriões que não serão implantados em nemhum útero.
+1 voto
respondido 8 meses atrás por Gez Apollo
Provavel fica esperando sua hora de chegar como os outros porem dependente daquele embriao provavlemente eu não sei. estava pensando num assunto parecido a pouco tempo.
+1 voto
respondido 8 meses atrás por Flávio Dias
Embora eu siga uma religião a minha opinião formada sobre o aborto não vem de convicções religiosas. Para mim não importa saber quando ocorre essa convecção entre espírito e corpo físico. Minha objeção ao aborto vem exatamente da certeza de que um embrião gera um ser humano, logo, o aborto é um assassinato independente de existir espírito ou não. Quanto aos embriões congelados eu penso que o espírito não é uma matéria que ao passar por esse processo vai sofrer qualquer tipo de alteração e mudar de estado físico.
+1 voto
respondido 8 meses atrás por Mauro(Ausente)
Apesar de ser cristão, não curto colocar religião em assuntos mais sociais, a menos que o envolvam antes. Minha opinião sobre o aborto é a seguinte: sou contra, e sou a favor.

Primeiramente, eu detesto quando leio alguém dizer hoje em dia, em pelo 2018, que Aborto é "Saúde pública". Crack é saúde pública, cocaína é saúde pública, alcool é saúde pública. Não muda o fato que o usuário de crack, cocaína, e alcool optaram por ter aquela vida, como quem foi abortar optou por fazer o aborto. Então não há vítimas. Não me venha com melodrama, que já sofri de mais, já estive e estou ao lado de pessoas que sofreram de mais nessa vida sem merecer, para me importar com quem morre em clínica de aborto por livre vontade, como uma moça de 28 anos que foi fazer aborto de seis meses, e morreu de hemorragia.

Atualmente há muitas formas contraceptivas, uma mais segura que a outra, masculina e feminina(Bolsonaro, por exemplo, quer facilitar o acesso a Vasectomia), então há sim como você saber se controlar. Então aparecerão aqueles que dirão "mas nenhum é cem por cento". Ta bom, nessa situação então se ficar comprovado através de laudos que a pessoa ingeriu anticoncepcional e ainda assim engravidou, então que seja feito o aborto, e a fabricante do anticoncepcional seja processada. Tenho certeza que menos de 1% da população que aborta realmente utilizou anticoncepcional que falhou.

Então, Mauro, tu é contra o aborto? Sou contra o ato de abortar, e sou contra a argumentação em prol do aborto. Porém, na minha modestíssima opinião, se o CASAL quiser abortar até três meses, e aí digo o casal, em opinião aposta ao ministro Lewadolwski que dizia que somente a mãe tem que decidir, então que se aborte. Pois a mãe sim tem toda a dor e ação da gestação, mas o pai também tem direito de ser pai, não podendo, portanto, apenas a mãe decidir se mata o filho.

"Mas e os que abandonam", ok, também! Se for comprovado a ausência do pai na vida da mãe, e esta quiser por abortar, então acho justo que abortem. Não acho que aborto vai diminuir o número de pais irresponsáveis por ai que faz o filho e depois some, mas creio que nesse caso, é direito da mãe.

Espero que tenha ficado claro, pois se eu explicar mais que isso, fica um texto grande.
comentado 8 meses atrás por Amy Wong
Ok... Mas não existem casais estáveis em todos os casos, né? E quando a mãe não fizer parte de um casal? Se ela não tiver marido ou namorado, como é que faz?

... E se a mãe alegar (só alegar) que não sabe quem é o pai? O que a Justiça deve fazer? Investigar com quem ela transou? E se ela alegar que transou com um cara no carnaval e nem sabe o nome dele?

E se ela for casada, mas alegar (só alegar) que conheceu um cara no ponto de ônibus, ficou gravida dele e depois nunca mais nem viu? E se ela alegar (só alegar) que não quer dizer o nome do pai, porque ele ameaçou matá-la?

E se ela alegar (só alegar) que ficou grávida mesmo ingerindo contraceptivos, mas só descobriu que estava grávida 10 dias antes do prazo máximo de aborto legal, sem que haja tempo para o que você chamou de "laudos"? E se depois os laudos forem inconclusivos? E se depois os laudos disserem que ela não ingeriu os contraceptivos conforme manda a bula?

E se ela alegar (só alegar) que ficou grávida do vizinho que morreu na semana passada? Vão fazer o quê? Exumar o cadáver para fazer DNA? E se ela alegar (só alegar) que ficou grávida de um foragido da justiça que sumiu ao ser perseguido pela polícia?

E se a mulher alegar (só alegar) que foi estuprada, mas não tiver como provar? E se ela alegar (só alegar) que ficou bêbada e não tem como saber o que fez e nem com quem? E se ela alegar (só alegar) que ficou grávida depois de entrar por distração em um banheiro público masculino?

Sejamos razoáveis...
A questão do aborto não será tratada com meias medidas... Ou se proíbe ou se libera... Esse negócio de examinar e inveatigar caso a caso é impossível na prática, onera o estado com custos que não levam a nada e tranforma a liberação ou não do aborto em uma loteria.
comentado 8 meses atrás por Amy Wong
Vamos imaginar outra situação tão maluca quanto as outras, mas bastante plausível...

Um dia sua vizinha morena de olhos e cabelos pretos aparece na sua casa cheia de amor para dar, e você não a desaponta: ela sai da sua casa feliz e satisfeita... Aí ela vai passar o carnaval em Salvador e diverte-se por lá com alguns foliões que ela encontrou no Tinder...

Dois meses e meio depois ela se descobre grávida e vai solicitar um aborto legal... Aí um juiz durão, seguindo a lei que você sugeriu, diz: "só se o pai concordar" (conforme aquela loteria já citada... Se o pedido fosse distribuído para a juíza feminista da vara ao lado, teria sido aprovado). Ela nem sabe quem é o pai, mas ela aponta para você, só para ter a autorização necessária... E o juiz chama você para "aprovar" o aborto...

Mas você, sendo quem é, diz: "se eu fiz a besteira, cumprirei com minhas obrigações... Não aprovo o aborto". Ela insiste que quer abortar, mas você não deixa... Ela avisa que transou com outros, mas você fica na dúvida se ela está dizendo isso só para convencê-lo a liberar... E o prazo do aborto legal está quase expirando... E no meio do rolo o prazo expira...

Ok... Tudo bem...
Seis meses depois nasce um lindo menino louro de olhos azulíssimos, que chega a ser cor de rosa de tão branquelo... Você pede um exame de paternidade e, oh!, não é o pai...

E agora?
Ela vai processar você e pedir pensão alimentícia para a criança, por tê-la impedido de abortar... E você vai contratar um advogado para dizer que não tem nada a ver com isso, a culpa é dela que saiu dando por aí como se não houvesse amanhã...

Enquanto nenhum juiz julga o mérito (o que pode demorar anos), o que é que a Promotoria da Infância faz? Diz que a criança não tem nada a ver com o litigio dos adultos e pede a expedição de uma liminar para você pagar a pensão alimentícia enquanto o caso está pendente, visando o melhor interesse do bebê... E aí, PIMBA!!!! um terço da sua renda mensal vai para a conta corrente da mãe.

É maluco, mas é perfeitamente plausivel.
... E terá sido bem feito pra você...
comentado 8 meses atrás por Amy Wong
... E a coisa pode ser mais complicada ainda...

... Uma vizinha com quem você nunca transou fala na Justiça que você é o pai do filho dela... E o juiz chama você para aprovar o aborto... Mas você diz que não é o pai e não tem que aprovar nada...

Depois ela entra na Justiça pedindo pensão para a criança por tê-la impedido de abortar...  Um exame de DNA prova que você não é o pai, mas ela diz que acreditava firmemente que você fosse o pai e você tem que arcar com as consequências de impedir o aborto...

Como é que você vai provar que nunca transou com ela?
comentado 8 meses atrás por Mauro(Ausente)
E se uma mulher, casada, trai o marido, descobre que tá grávida, e então aborta já que depende apenas da mulher, sem nem mesmo saber se o pai(o amante) queria ser pai?

Ou se uma mulher, foi lá, sem pensar nas consequências, se divertiu, engravidou, e descobriu que ainda é jovem, está fazendo faculdade, é bonita de mais para engravidar, e pronto, vai abortar, afinal depende somente dela abortar.

Ou então a mulher decidiu não abortar, mesmo o pai querendo abortar, mas como cabe exclusivamente a ela a autonomia sobre a gravidez, não abortou. Nasceu, o pai não paga a pensão, e é preso. Pois cabe a mãe decidir se aborta, mas não cabe ao pai decidir se arca ou não com as despesas, suas obrigações se torna intrínseca as escolhas da mãe do filho, sem nem mesmo ouvir o seu querer.

Diante, entao, das barreiras demonstradas por ti, me oponho ao aborto (a menos que seja do caso de violência sexual ou microcefalia). Sou sempre a favor do ato e consequência.
comentado 8 meses atrás por Mauro(Ausente)
Em minha mente não entra que um feto, aonde tem que ter a participação dos dois para ser gerado, dependa exclusivamente do querer da mae para saber se continua vivo ou não. E, caso permaneça vivo, o pai não possa decidir se quer ou não criar o filho. Dão a mãe o direjto de escolha, e depois não fazem o mesmo com o pai. Não vejo justiça disso.

Também não entra em minha mente que pessoas que transam por livre e espontânea vontade deva ter o direito de escolher ter ou não o filho. Pra mim, é tão ridículo quanto Lula decidindo a hora que se entregaria. Seria como se eu dissesse "hum, matei, mas quer saber? Quero ser preso não. Meu corpo, minhas regras, e não quero ficar numa cela , falou!'
comentado 8 meses atrás por Mauro(Ausente)
Entendo a parte aonde dizem que as mulheres são abandonadas quando estão grávidas. E não me orgulho nada de ser homem nessas horas. Como creio também que nenhuma mulher se orgulha de alguém que nem sabe quem é o pai e resolve abortar.
Mas não creio que aborto resolva o problema de abandonos.

Entendo o ponto de vista que "não se defende o aborto, se defende o direito a abortar", uso a mesma lógica para algumas coisas que defendo também. Eu entendo isso. Mas discordo.
comentado 8 meses atrás por Amy Wong
Sem problema...
Ser contra a legalização do aborto ou a favor da legalização do aborto é questão de foro intimo, seja por quais motivos forem...

... Mas é preciso ser adulto e ser sensato: proibir o aborto traz vantagens e desvantagens, liberar traz vantagens e desvantagens...

Quem é contra a legalização do aborto tem que aguentar as consequências de sua decisão. Por exemplo, tem de ser restritivo em relação a questões de delinquência infanto-juvenil, abandono na infância, negligência paterna/materna, violência contra crianças, etc.... Não adianta ser contra o aborto e depois exigir responsabilidade familiar de todos, porque nem todo mundo possui habilidades para ser pai ou mãe... Tem gente que nem recebeu cuidados paternais ou maternais quando era criança e simplesmente não sabe o que fazer quando tem um filho... Muito menos um filho indesejado... Aí fica assim: "eu sou contra o aborto, mas exijo que se cuide bem das crianças". É irreal. Não vai acontecer só porque você acha que é o correto.

... E quanto à ideia de sair vasectomizando o povo no serviço público, prepare-se para 3 custos: um custo para vasectomizar o homem, outro custo quando ele se arrepender e quiser ser "desvasectomizado" e outro custo quando ele quiser se vasectomizar de novo. Sem problemas: é o preço a pagar pelas próprias convicções.
+1 voto
respondido 8 meses atrás por .Lole
Não abri para ler. O embrião foi implantado num útero para desenvolver, virar feto, depois um ser senciente ? Caso não tenha sido continua a ser um embrião.

Embrião é um aglomerado de células, não tem coração, cérebro, não é um ser senciente, logo não tem Mente q seria o "espírito"
Se não tem Mente o "espírito" não se conectou.
Bom Diaaa! Tut
+1 voto
respondido 8 meses atrás por ✰ĤįÞÓƬĤƐƧƐ ṼįŕƭưąŁ✰
Ah, será que pode congelar espírito? Sei não...
+1 voto
respondido 8 meses atrás por ♥♫ Marina ♫♥
Eu acredito que um embrião já é um ser humaninho...
Sou radicalmente contra o aborto, porque a criança não pediu pra nascer e também não tem como se defender...
Da mesma forma, sou radicalmente contra o congelamento de embriões e contra qualquer experiência com a vida humana...

É tudo muito anti natural...
Imagino que os embriões congelados, ficam como uma pessoa que esteja em estado de coma...

É revoltante pensar que os embriões que são descartados, são simplesmente jogados na lata do lixo, como se não fosse ninguém...



Acho desumano fazer isso... Brincar com vidas...
0 votos
respondido 8 meses atrás por Revortado
Ué ....

Os Espíritos também ficam Congelados, né .... ?


Tendeu ?
0 votos
respondido 8 meses atrás por Eternall Fantasy
Vou lá saber....
Mal,mal sei sobre a manteria e energia da nossa realidade,quanto mais da de outras possíveis dimensões atreladas a nossa ou não como os espíritos e fantasmas
Image and video hosting by TinyPic
...